terça-feira, 30 de julho de 2013

Carta a um amigo hetero.

Olha só. Nós somos diferentes.


Tudo bem. Já sei o que você vai dizer: mas nós somos todos diferentes. Ou então que nós temos um monte de coisas em comum, outras coisas em que somos bastante iguais. É claro. Mas eu não to aqui pra falar de todas as diferenças – nem das semelhanças. Tô falando dessa, essa aqui, essa agora. OK?

Portanto, nós somos diferentes. E quando digo somos, digo assim mesmo, no plural. Eu sou diferente de você, do mesmo jeito que você é diferente de mim. Não vá pensando aí que porque você tá hoje no topo dessa hierarquia social que eu sou O diferente, o diferente de VOCÊ. Porque eu não reconheço essa tua hegemonia, me rebelo contra essa tua norma e embora saiba que ela existe e o quanto ela é forte, trabalho todo dia contra ela. E não posso, nem quero, nem vou, reconhecê-la no discurso. Portanto, somos diferentes sim. Assim. No plural. Eu sou o seu outro. E você também é o outro de mim.

Você então vai começar a falar sobre o quanto nós somos parecidos, em tantas coisas. Bom, o negócio é o seguinte: Eu não quero ser igual a você. Não quero ser grosso, nem soar arrogante, mas vamos parar com esse monte de comparações. Então não venha com essa história de que nós amamos igual, nós nos relacionamos igual, nós sofremos igual. Porra nenhuma! Que é isso!

Nós não sofremos igual. Cada sofrimento é particular. E por mais que você já tenha sofrido com outros preconceitos, a discriminação não é algo que se acumule ou que se pontue. Cada um vai experimentar ela de um jeito. Por outro lado, eu também acho, pelo menos desconfio, que você também sofreu um bocado por conta das mesmas regras e normas que me fizeram viver tanta angústia. Mas nós vivemos lados diferentes dessa história. Não dá simplesmente pra dizer que é a mesma coisa.

Nós não nos relacionamos igual. Eu não sei se eu quero casar. Eu quero ter o direito de casar, o que é bem diferente. Mas também quero ter o direito de não casar! De querer viver junto, ou de ser solteiro a vida inteira, ou de ter uma relação por interesse, ou só por amor, ou só por sexo, a um, a dois, a três. Eu quero ter o direito de adotar um filho ou uma filha, ou de fazer um ou uma pelos meios que já existem. Mas também quero ter o direito de não querer ter filhos! De gastar todo o meu dinheiro comigo mesmo, numa vida cheia de luxúria e frivolidade!

Do mesmo jeito: Nós não amamos igual!  Não tem como! Cada um ama de um jeito. Para alguns amor é apego, pra outros carência, pra outros entrega, pra outros cobrança, pra outros liberdade, pra outros compromisso. Então como assim “nós amamos igual”? Quem disse que só tem um jeito de amar? Quem disse que esse teu jeito aí é o certo? Quem disse que eu quero amar pra vida toda? Ou só uma pessoa? Ou juntar amor, sexo e conta pra pagar?

Além disso, não é bem de amor que a gente tá falando. Esse quadro quem pintou foi você. Afinal, quando você fala de amor, não precisa falar daquelas partes, daqueles pequenos detalhes, meio desagradáveis, do tipo que não se fala quando a nossa avó tá na sala. Mas não adianta. Entenda uma coisa, meu bem: além de todas as coisinhas bunitinhas, nós estamos falando é de sexo! É, isso mesmo, de paus, picas, bundas, bocas, peitos, pelos, pés, dedos, sêmen, couro, cordas, tapas, dois, três, quatro, quantos couber! Estamos falando de chupar, dar, comer, bater, lamber, cheirar, fuder, gozar!

Quantos quartinhos escuros você já frequentou na vida? Quanta pegação já fez num banheiro da escola, do shopping, da rodoviária? Quantas sacanagens você já fez em becos escuros, praias, casas abandonadas? Saunas? E não vá achando que tudo isso vai sumir, lentamente desaparecer, a medida que eu possa simplesmente viver a vida do seu jeito. Não, gato. Tudo isso tem uma beleza própria, um gosto próprio. Tudo bem, é verdade, eu trepava no beco porque não podia namorar na pracinha. Mas quem disse que quando eu puder, de verdade, namorar na pracinha, eu vou dispensar o beco?

Olha só, meu querido: Eu dou a bunda. E gosto. É verdade, você também poderia dar. E poderia, sem dúvida, aprender a gostar. Como eu também poderia aprender a delícia de comer uma mulher. Nossa diferença é claramente construída. Uma diferença cultural mesmo. E aí? Quer tentar? Se você tentar eu tento, juro...

Ah, e não se esqueça: Eu dou pinta! Isso  mesmo! Desmunheco, falo fino, dou gritinho, ando rebolando, gemo, bato cabelo, faço carão, penero, dô close, faço a egípcia, faço a uó. Porque aqui, meu amor, quem tem medo de parecer com mulher é você. É você quem acha que tudo isso é coisa de mulher. E mesmo que eu discorde, e ache que esse teu pensamento binário de macho e fêmea é um bocado limitado, eu não tenho medo nenhum do feminino. Se isso te desconforta, te incomoda, é porque você ainda acha que ser mulher, ou parecer com uma, é algo vergonhoso, pejorativo, que diminui, que inferioriza. Pra mim não é. Quando você me xinga de mulherzinha - e como pode mulher ser um xingamento? - pra mim é elogio. Eu sou dessas, meu amor!

Talvez você não ache a minha linguagem apropriada. Mas é isso, falar é como dar o cú. É um ato político. Não posso abrir mão. Nossa língua é a mesma, mas os usos são diferentes. As palavras que você acha feias são as palavras que seus amigos inventaram pra falar mal de mim. Todas elas! Mas se eu fugir delas, é como se eu estivesse reconhecendo o medo, o medo do seu dedo, que aponta pra mim, e me culpa. Mas pra mostrar que eu já não tenho medo, eu uso essas mesmas palavras, que pra você são ofensas, e as transformo no meu nome, escrevo elas na minha carteira de identidade, faço delas a bandeira que eu vou levantar na rua.

Portanto, meu amor, aceita. Nós somos sim: viados, bichas, boiolas, monas, baitolas, pederastas, sodomitas. Nós damos o cú. Nós chupamos pau. E comemos também (não se esqueça!). E botamos pra chupar. E fazemos muitas outras coisas, que talvez você julgue inapropriadas, estranhas, nojentas, mas que eu acho uma delícia! Eu não sou limpinho. Não sou higiênico. Não sou essa pessoa boa, inteligente, amiga e maravilhosa. Sou legal e escroto como todo mundo - e como só eu sei ser, claro.

Entenda uma coisa, meu amigo: eu não quero ser igual a você. O que não quer dizer que eu quero ser diferente. Já passei dessa fase.  Simplesmente eu não preciso, isso mesmo, eu não preciso me sentir semelhante a você para me sentir bem comigo mesmo. Entendeu, darling? Porque nesse teu sorriso de bom moço, complacente e carinhoso quando diz, 'nós somos todos iguais' o que no fundo você quer dizer é que pela sua bondade e cabeça feita, você me deixa entrar no seu clube, você me deixa vestir a sua camisa, você me deixa dizer que eu sou seu amigo. Mas desculpa, amigo, eu não preciso ser seu amigo. Nós até podemos ser, sem dúvida, e descobrir um monte de coisas pra fazer e falar sobre. Mas eu não preciso da sua aceitação. Não preciso do seu afeto. Não preciso da sua condescendência. Se sermos iguais significa eu me tornar parecido com você, muito obrigado, desquenda, beijo, me liga.

Se você quer me reconhecer, me reconheça como igual. E como diferente. Nós não precisamos nos gostar. Nós não precisamos nos amar. Nós simplesmente precisamos aprender a conviver. Talvez nem sempre dê pra gente entrar num acordo. Talvez em alguns momentos a gente caia na porrada. Mas se for assim, que seja uma briga justa, e não um genocídio. Que seja uma porrada, e não 49 facadas. Que seja uma luta. E não um crime. Se as nossas diferenças se tornarem em algum ponto tão incompatíveis, que você saiba me reconhecer como adversário à altura, e eu idem. E vamos à disputa. Afinal, quem disse que democracia é consenso? Muito pelo contrário. Democracia é apenas um jeito um tanto mais justo da gente brigar. E além disso, minha raiz não me deixa pensar diferente, não é a harmonia que faz as coisas andarem. É justamente a discórdia! É o desequilíbrio que faz a gente aprender. É o conflito que move a própria História.

Mas pra você não me achar completamente antipático, vamo lá, te convido pra tomar uma cerveja. A gente senta, bate um papo, e quem sabe não aprende um com o outro, sobre um e sobre o outro. Só não vá beber demais, porque aí, sabe come que é... eu não me responsabilizo...

SOBRE SANTAS E VADIAS

Como comentar a destruição da imagem da santa na Marcha das Vadias sem cair no senso comum?

A minha experiência com a Igreja Católica foi muito marginal. Eu cresci em família kardecista. Nada de missa, hóstia, confissão, nem velho testamento. Apesar de muitos espíritas ainda conservarem um bocado do ranço moralista, esses não eram maioria lá em casa. Eu fui ensinado, desde cedo, a olhar para a Igreja com uma certa condescendência arrogante (bem comum entre kardecistas), como quem olha para um adolescente, às vezes pentelho, às vezes engraçado, que ainda não entendeu direito as coisas da vida. Logo logo eu mesmo me dei conta do quanto o espiritismo também podia vir acompanhado de boas doses de estupidez e egocentrismo. Mas aí já é outra história.

Mas, se na minha vida pessoal a Igreja parecia irrelevante, para muitas outras pessoas ela teve um outro peso. E peso aqui não é só uma palavra pra terminar a frase. Conheci mulheres (e homens) que passaram (e passam) a vida atormentadas pelo terrorismo religioso. Uma marca que ficou no corpo. No jeito de sentar, de falar, de trepar e sentir prazer, nos projetos de vida.

Conheço mulheres que foram julgadas quando se separaram. Mal faladas porque fizeram sexo sem compromisso. Excomungadas porque fizeram um aborto (e que se culpam até hoje por isso). Mulheres que introjetaram um controle do corpo e uma percepção tão pecaminosa do sexo que até hoje não conseguem gozar direito. Mulheres atormentadas em intermináveis almoços de família onde todo mundo só quer saber quando ela vai arrumar um marido. Mulheres pra quem manter a "família" (leia-se: casamento heterossexual com filhos) era tão importante que elas abriram mão dos estudos, da carreira, que dirá da felicidade (em alguns casos até mesmo da sua própria dignidade, quiçá da sua integridade física).

Mas o terrorismo religioso não atinge só elas. Tenho amigos gays que passaram anos sendo torturados pela culpa e pelo pecado. Alguns foram expulsos de casa. Alguns excluídos dos círculos de amigos ou dos grupos de trabalho da Igreja. Outros passaram até por tratamentos de reversão (que visivelmente não funcionaram...). Outros até hoje têm medo de contar. Boa parte segue sendo ignorada pela família. Uns tantos foram finalmente acolhidos pelos parentes, mas lhes reservaram aquela cadeira da mesa onde sentam os dignos da compaixão, do lado do primo drogado e da tia que não soube criar os filhos direito.

Pra quem é criado fora da tradição cristã, stricto sensu, pode parecer (como parece ainda pra mim) muito difícil entender o peso que esse discurso tem sobre a vida de uma pessoa. Imagine o que significa realmente acreditar no inferno. Realmente acreditar no pecado. Realmente acreditar que pelo jeito como você sente prazer, você pode ir parar nos braços do diabo por toda a eternidade. Ou mesmo que você não tenha uma fé assim tão medieval, imagine que a cada transa, beijo ou mesmo mera punheta ou siririca, depois do prazer lhe venha uma sensação horrível de culpa, culpa pela certeza de que você ofendeu não só sua mãe, sua sociedade, mas o próprio deus que te deu a vida. É nesse nível.

Isso não é pouca coisa. É dor que deixa marca pro resto da vida. Porque religião não é como TV. Não dá simplesmente pra mudar de canal. Porque tem a ver com o jeito que você aprendeu a entender o próprio mundo. A enxergar você mesmo e a projetar toda a sua vida. E mesmo depois que a gente manda o mundo inteiro à merda e parte em busca de outras filosofias de vida, essa marca continua lá, em algum canto, latejando, incomodando, feito farpa no dedo, caco de vidro no pé.

Isso quer dizer que sim, muita gente tem muitos motivos pra não ter nenhum respeito pela Igreja Católica. Como cobrar respeito por alguém que lhe fez tanto mal? Como cobrar respeito por alguém que segue achando que pode mandar na sua vida? E na vida de um país inteiro?

A imagem da santa é um símbolo. Símbolo do sagrado, pra alguns. Símbolo da opressão, pra outros. Eu jamais quebraria uma. Fácil pra mim. Mas posso entender p e r f e i t a m e n t e as dezenas de razões que tantas e tantas pessoas teriam pra despedaçar uma nossa senhora.

Há quem fale em tolerância religiosa. Wow! Como assim??? Vão falar isso pro Papa! Porque é a intolerância religiosa cristã que até hoje embarreira políticas públicas de saúde da mulher, de enfrentamento à Aids, de reprodução assistida e planejamento familiar, de combate à homofobia na escola, de reconhecimento de transexuais, de liberdade pros maconheiros, de dignidade pra prostitutas, etc, etc, etc.

Há quem compare a quebra da santa aos crentes que invadem terreiros de umbanda e destroem as imagens. Não, não, não, moço. Quando evangélicos arrebentam um centro, eles são os opressores, os históricos e violentos opressores. Aqui, quebrar a santa pode ser um ato de revolta de quem passou a vida tomando porrada, como um grito dos excluídos. A reação violenta do oprimido não pode ser comparada à sistemática e estabelecida violência do opressor.

A gente pode discutir se essa foi uma boa estratégia política. Vai agregar mais gente? Provavelmente não. As pessoas efetivamente entenderam o recado? Provavelmente não. Isso vai ser usado pelos conservadores pra desqualificar (mais?) a marcha? Certamente que sim.

Mas faz tempo que eu já deixei de acreditar que existe uma resposta certa. Já desisti de tentar convencer as pessoas daquilo que eu acho que é o caminho certo. Pelo simples fato de que eu posso estar absolutamente equivocado. Hoje eu acho que o movimento social precisa ser plural. E divergente. Se todo mundo concordar e agir do mesmo jeito, aí fudeu de vez. Portanto, talvez seja bom mesmo que algumas pessoas quebrem umas santas. Talvez seja bom mesmo que alguns manifestantes arrebentem umas vidraças. Talvez seja bom até mesmo que num momento de exaltação alguns vândalos botem fogo em certas assembleias legislativas... Eu não vou quebrar um banco, não vou invadir o Itamaraty ou subir no teto do Congresso. Eu sou cagão demais pra isso. Mas agradeço que existam doidos que topam essas coisas, porque eles forçam a barreira do senso comum de uma forma que eu nunca conseguiria. São essas bichas malucas, de calcinha enfiada e santa na mão, que me fazem pensar se eu não estou sendo uma bichinha comportada demais, legalista demais, medrosa demais, burguesa demais.

É bom que radicais e moderados convivam num mesmo movimento (e eu to mais pros primeiros, que fique bem claro). Dá mais consistência. Alimenta a reflexão crítica. Faz o tempo todo a gente repensar os nossos passos. Quando todo mundo anda igual, ninguém precisa justificar porque tá indo naquela direção. Como querer uma política que reconheça a diferença se não formos capazes de agir, politicamente, na diversidade?

Não sei no que vai dar - se é que vai dar em alguma coisa. Não sei se algumas pessoas vão se afastar da marcha por causa disso. Não sei se outras vão vir justamente por esse motivo. Só sei de uma coisa: se a porrada estancar, se o pau comer, se o bicho pegar, se o bonde passar e eu olhar pro lado, se as pontes de diálogo ficarem inviáveis, se eu tiver que escolher um lado, meu amigo e minha amiga, entre santas e vadias, eu não tenho dúvida. Certamente eu fico com as vadias...

ALEXANDRE BORTOLINI